Intoxicação digital: a inveja nas redes sociais

A imagem do post é de uma amiga feliz, em férias, na praia!  O que você pensou a respeito?  "Estou feliz por ela", "quero ir lá nas minhas próximas férias", "Nunca vou conseguir ser feliz como ela", "nada", "a toda hora ela está me provocando", "nem é tudo isso"?

 Por: Pascoal Zani, CRP 08/04471, Psicólogo

Intoxicação digital: a inveja nas redes sociais

 A regulação emocional na rede social

Você está navegando no Instagram e a imagem do post é de uma amiga feliz, em férias, na praia!

O que você pensou a respeito? "Estou feliz por ela", "quero ir lá nas minhas próximas férias", "Nunca vou conseguir ser feliz como ela", "a toda hora ela está me provocando", "nem é tudo isso"?

Depende de muitos fatores, claro. Mas conforme tenha pensado você poderá ter sentido alegria, bem-estar, frustração, desânimo, raiva, inveja, desprezo, etc.

Treinando a regulação emocional você identificaria a situação, o seu pensamento a respeito, a emoção e o comportamento que teve. Talvez fizesse alguns ajustes para viver melhor suas emoções. Não é fácil, mas é o exercício nosso de cada dia e é necessário.

Agora vamos adicionar mais ingredientes. No momento em que você decide ir às redes sociais para se distrair com o rolar frenético das telas encontra a vida e o viver de tantas outras pessoas, queridas, famosas ou até desconhecidas. Lá estão também produtos, serviços e utilidades. Em cada post, uma situação, um fato. Eles se tornam estímulos e podem gerar desejo. Alguns passam despercebido, uns lhe incentivam, outros desmotivam, enfim, a depender do que você pensou a respeito.

 Mas, como processar tanto conteúdo de modo tão rápido?

O Class Mates foi criado em 1995. Logo após, oSixDegrees, em 1997. Orkut, facebook, LinkedIn, Instagram, twitter, Tik-tok e outras redes vieram depois, cada uma com suas características, mas sempre aumentando o volume de interações e de utilidade para os contatos pessoais e profissionais.

Não à toa hoje se fala de "Zoom Fatigue", “Cansaço ou Intoxicação Virtual”. O conceito nasceu dos excessos das reuniões via plataformas como Zoom, Google Meet, Skype, Whereby, etc. Eram reuniões de gerência com seus empregados em Home Office ou mesmo antes, pois as empresas já as utilizavam em suas comunicações.

Depois a ideia da “Fadiga de Zoom” se estendeu à saturação que muitos sentem dentro das redes, talvez pela dificuldade de digerir tanto conteúdo. De um lado, a maior parte do planeta está nelas fornecendo e consumindo dados. Noutro, você tem a necessidade de buscar soluções e adquirir habilidades que permitam vivenciar melhor a experiência delas.

 Leia também: 

Intoxicação digital: um drama contemporâneo 

 Inveja nas redes sociais?

Vício em redes sociais dispara na pandemia, mas há como recuperar o controle e se desintoxicar?

Por que há tanta inveja nas redes sociais?

Eu responderia que a inveja, outras emoções, pensamentos e comportamentos que estão das redes são a expressão do homem, que cria e usa a tecnologia à sua imagem e semelhança.

Cada rede social é como uma enxada que pode ser usada para assassinar alguém ou prover o sustento da família. Ela é ferramenta. A inveja já existia e continuou existindo nela. Vem do homem e dos relacionamentos humanos.

Em seu primeiro livro, a Bíblia apresenta o sentimento de inveja, já nas origens (Gênesis) da humanidade: Caim matou Abel após invejar a felicidade dele por ver a oferta aceita, enquanto a sua havia sido rejeitada.

Se houvesse Instagram ou TikTok na época, poderíamos dizer que o post de Abel, talvez uma imagem com a melhor carne do seu rebanho, teve mais curtidas e comentários, ou seja, a aprovação social do Criador. A publicação de Caim, com os frutos de sua terra, não teve a mesma sorte, ele se sentiu rejeitado.

 A inveja, emoção aprendida

            Iniciamos pela inveja, mas muitos pensamentos, emoções e sentimentos diferentes podem ir se juntando quando detalhamos o assunto. É comum que essa mesma reflexão possa abranger ciúme e necessidade de aprovação social em exagero, por exemplo.

·         O que a felicidade do outro provoca em você?

·         Como se sente quando se compara a alguém?

·         Quanto pesa ser ou não aprovado?

·         O sucesso do outro o motiva ou desanima?

·         E a grama mais verde do vizinho, aquelas vidas perfeitas que aparecem nos grupos e nas telas?

·         E as lindas e sorridentes famílias dos famosos comerciais de margarina?

·         Você faz comparações assim?

            “As emoções secundárias são influenciadas pelo contexto social e cultural: são portanto aprendidas, e não inatas”. (Roberto Lent) Caim sentiu um furor, a emoção primária de raiva, por ser rejeitado. Depois invejou Abel.

            A sociedade e a cultura, então, dão parâmetros. Podemos arriscar alguns deles: você precisa ter sucesso profissional, ter este peso e aquela altura, apresentar o melhor resultado, estar sempre feliz, ganhar “x” ou “y”, ser desta ou daquela religião, comprar isso ou aquilo, estar no namoro ou no casamento perfeito, tirar as melhores férias da empresa, torcer por este ou aquele time: “precisa de”, “tem que”. (Será mesmo?)

            São normas e regras socioculturais. Podem fazer você desejar ou achar necessário ter o que o outro tem. A inveja está neste berço, mas ela não dorme. Algumas reflexões podem ajudar você a lidar com ela:

·         Uma vez desejando algo, quais pensamentos lhe vem?

·         Querer algo lhe inspira a imitar um comportamento ou a buscar um objeto, uma situação similar e fazer ações saudáveis para conseguir?

·         Ou você pensa em ter o que é do outro, sem medir consequências?

·         A postagem o leva a criticar o que deseja ou a querer privar o outro do que tem?

·         Você se desmotiva ao querer algo que não conseguirá tão facilmente?

 A provocação do desejo e o seu modo de reagir

Bem, talvez você não precise desejar tudo o que os outros tem, não é mesmo?Ou, desejando, reagindo positivamente ao estímulo, possa parar a fim de analisar o que de fato quer e planejar maneiras saudáveis e viáveis de conseguir.

Repetindo, o que de fato quer, independente das comparações infindáveis da sociedade e da cultura nesta Grande Loja de Desejos chamada Rede Social. Portanto:

·         Cuide para não viver o desejo dos outros e esquecer o seu. É básico

·         Faça escolhas, examine bem quais atividades, pessoas e objetos quer acompanhar. Reorganize sua timeline. Assim você poderá focar em amizades que realmente importam e em páginas que lhe ofereçam conteúdos úteis para sua atividade e sua Vida

·         Eleja valores de Vida e objetivos de curto, médio e longo prazo. Isso facilitará suas decisões quanto a compras, quais amigos e páginas seguir e quais postagens devem merecer a sua atenção

 O comportamento digital e o social

No tempo em que as relações eram menos virtuais você já encontrava a inveja nos relacionamentos próximos: no parente que possuía um carro melhor, no amiguinho que tinha um brinquedo que você não tinha, no colega que conseguia um cargo melhor que o seu, etc. O que mudou foi a amplitude que as redes deram às experiências.Tudo é mais rápido, intenso e diverso. Sempre se pergunte: ameaça ou oportunidade? Pode ser um bom motivo para você treinar sua Inteligência Emocional. Assim vai aprimorar suas habilidades para melhor aproveitá-las e ter mais bem-estar, qualidade de vida.

            Em todo caso, nova pausa para pensar: não é a ferramenta, é o homem. Não são as redes sociais virtuais.Sem eximi-las de suas responsabilidades éticas e legais, a questão, do ponto de vista de da Psicologia, é que a sociedade se faz representar dentro delas, estimulando que o seu modo de se comportar passe a ser também o seu comportamento digital. Em outras palavras, trazendo ao particular para que possa exercer algum controle, trata-se de como você pensa, sente e age em relação aos conteúdos.

            Quem sabe um dia “ter ou provocar inveja” (envy) nas redes sociais se torne cringe (vergonha alheia). Isso aliviaria um pouco a insanidade das comparações que provocam frustração, ansiedade, desânimo, apatia e depressão em quaisquer gerações, sejam Baby Boomers, X, Y (Millennials), Z (Gen Z) ou Alpha! O que você acha?

 

Pascoal Zani – CRP-PR 08/04471

Fone whats: https://wa.me/5541988488303

https://linktr.ee/Psicologopascoalzani

psicologopascoalzani@gmail.com

Fonte: https://www.psicologopascoalzani.com.br 

Psicólogo Pascoal Zani – CRP 08/04471 | Instagran: psicologopascoalzani

Leia  outros artigos do Psicólogo Pascoal Zani

Terapias integrativas também podem aliviar tensão e ansiedade nos pets 

O que é comunicação assertiva?

Relacionamento: conheça a técnica CNV e pare de brigar

Home Office: 10 dicas para recuperar a leveza

Estresse: lucros e prejuízos na Vida Profissional

 Mundo VUCA ou Mundo BANI? 

Como ter mais inteligência emocional?

Você tem vivido num turbilhão de emoções?

 12 dicas para melhorar seu sono e dormir como um bebê

Agosto Lilás: a violência doméstica e familiar

Procrastinação: quando deixar para amanhã faz mal

 

             

Virou notícia publicamos aqui

Assuntos sobre: Educação, Comportamento, entre outros. 

                                     

COMPARTILHE
Postagem Anterior
Próximo Post

Textos escolhidos pra você: