Três ícones da Rádio Nacional que continuam ativos no Rádio

Três ícones da Rádio Nacional que continuam ativos no Rádio

Foto reprodução: Instagram - disponível em: https://www.instagram.com/p/CVUNdNcMBCn/

Três ícones da Rádio Nacional da Amazônia, que continuam ativos no Rádio,  estou falando dos queridos radialistas: Edelson Moura, Márcia Ferreira e Clayton Aguiar,  ambos estão em várias emissoras de rádios, através da  Rádio Estúdio Brasil que distribuem sua programação para outras emissoras. Os ouvintes têm a oportunidade de ouvirem em outras rádios.

Radialista Mário Sérgio receberá Título de Cidadania proposto pelo deputado Luciano Pimentel

Radialista Mário Sérgio receberá Título de Cidadania proposto pelo deputado Luciano Pimentel

 Radialista Mário Sérgio receberá Título de Cidadania proposto pelo deputado Luciano Pimentel

Diretor da Rádio Aperipê FM, o radialista Mário Sérgio Félix, nascido em Duque de Caxias (RJ), será agraciado com o Título de Cidadão Sergipano através do Projeto de Resolução nº 43/2021, de autoria do deputado estadual Luciano Pimentel. A propositura foi aprovada por unanimidade na última quarta-feira, 20, no plenário da Assembleia Legislativa.

 De acordo com o parlamentar, a trajetória de Mário Sérgio é marcada pela dedicação à profissão que ele abraçou. Para Luciano Pimentel, o radialista engrandece Sergipe com a sua atuação em prol do fortalecimento e da valorização da cultura do estado.

 “O trabalho de Mário Sérgio é único. São anos de compromisso com a radiodifusão e de fomento a arte sergipana, em especial a música. Sua pesquisa acerca do tema, incentiva a cultura local o que possui uma importância sem precedentes não só para os artistas, mas para todo o estado. O espaço que Mário Sérgio oferece para os nossos músicos permite que a sociedade conheça o potencial artístico de Sergipe e impulsiona o crescimento desses profissionais”, afirma Luciano Pimentel.

 Leia  mais em: https://www.imprensa24h.com.br/radialista-mario-sergio-recebera-titulo-de-cidadania-proposto-pelo-deputado-luciano-pimentel/#.YXM99dZv-70

 

Auxílio Brasil é pauta no Rádio Sociedade

Auxílio Brasil é pauta no Rádio Sociedade

 

Auxílio Brasil é pauta no Rádio Sociedade.

Gilberto Braga avalia o nome programa de renda do governo federal 

O quadro A Pauta É recebe o professor, economista e contador Gilberto Braga

Ele comenta a repercussão do novo programa social de transferência de renda do governo federal, o Auxílio Brasil.

Em entrevista ao Rádio Sociedade, Gilberto fala sobre a relevância do programa e a importância de se respeitar o teto de gastos.

O economista analisa também a reação do mercado e avalia as consequências do programa para o futuro.

Confira a entrevista na íntegra no player acima.

O programa Rádio Sociedade vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 7h às 8h, na Rádio MEC

Apresentação: Dylan Araújo.

Fonte: Rádios EBC

 
  
Com um Polo 2022! Rádio Difusora lança “Campanha Natal De Prêmios” em São Joaquim

Com um Polo 2022! Rádio Difusora lança “Campanha Natal De Prêmios” em São Joaquim

Com um Polo 2022! Rádio Difusora lança “Campanha Natal De Prêmios” em São Joaquim

A Rádio Difusora de São Joaquim efetuou na manhã desta última quinta-feira (21), o lançamento da campanha “Natal De Prêmios Difusora 2021“, com uma série de prêmios a serem sorteados.

A promoção de Natal é tradicional, desde a década de 70 quando foi criado pelos saudosos comunicadores Sebastião Viera e Rogério Pereira (Pirata) para angariar recursos para a compra e manutenção dos equipamentos radiotransmissão, tipo as caríssimas vávulas, já que os valores da época eram cotatos em dólares e que queimavam consecutivamente, sendo necessária a troca regular.

Leia mais em: https://saojoaquimonline.com.br/destaque/2021/10/21/com-um-polo-2022-radio-difusora-lanca-campanha-natal-de-premios-em-sao-joaquim/ 

 

Rádio rivaliza com plataformas digitais no consumo global de música

Rádio rivaliza com plataformas digitais no consumo global de música

 
Rádio rivaliza com plataformas digitais no consumo global de música

As plataformas digitais representam a maior parte do consumo global de música, de acordo com um novo estudo publicado nesta quinta-feira (21) pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica, que ouviu 43.000 usuários de internet entre 16 e 64 anos em 21 países.

Intitulado Engaging With Music, o relatório diz que quase dois terços desse consumo vem de plataformas gratuitas. Mesmo assim, os serviços pagos, que hoje representam um terço do total do consumo online, são os grandes responsáveis pela receita da indústria fonográfica.

Embora os serviços gratuitos, sociais e de vídeo tragam muito menos dinheiro, apesar de contabilizarem o dobro do consumo, eles desempenham um importante papel de marketing e descoberta, impulsionando a escuta nas plataformas premium, diz o estudo.

Além dos serviços de música digital, o rádio responde por 16% do consumo, enquanto o comércio de mídias, como vinis, cassetes e downloads, respondem por 9%. O restante vem de coisas como música ao vivo, música na TV e música compartilhada com amigos e familiares.

Os dados sobre o rádio mostram que ele continua sendo consumido principalmente para se ouvir música, com cerca de 7 em cada 10 pessoas no mundo consumindo rádio. Os dados mostram que 73% dos entrevistados sintonizam sua estação favorita para curtir um som. E 66% deles disseram não ouvir rádio se a estação não estiver executando uma programação musical.

A música pop lidera o top 10 dos gêneros musicais favoritos dos entrevistados, mas o rock surge logo na segunda posição da lista. Relatório na íntegra (em inglês) AQUI.

 

Fonte: https://www.radiorock.com.br/2021/10/21/radio-rivaliza-com-plataformas-digitais-no-consumo-global-de-musica/ 

Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

 Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

 O  Manual Prático Abertura de Empresas, Alteração e Baixa

 Ensina como preencher na prática o DBE - Documento Básico de Entrada no CNPJ,  você aprenderá na prática como abrir uma empresa, alterar ou dar baixa.

E o melhor! ao adquirir você pode tirar dúvidas por E-mail: alvescontabilidade@uol.com.br

Contador e Consultor experiente e atuante na área contábil.

De R$ 100,00, você pagará apenas R$ 50,00 e pode parcelar  no cartão.

Manual, destina-se a todos os que necessitam executar tarefas relacionadas com rotinas contábeis, proporcionando condições de desempenhar suas funções nos departamentos legais,  e nos órgãos públicos em geral. Conhecerá todas às rotinas passo a passo para abrir, alterar e encerrar uma empresa.

 Aprenda passo a passo como abrir uma empresa, seja ela um Empresário individual,  Uma Sociedade Unipessoal, Ou Uma Sociedade Ltda.

Passo a passo para abertura de uma empresa, como fazer a viabilidade, como acessar o portal Redesim.

Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

Material didático: O Manual é composto por uma única apostila, incluindo modelos de contratos,  abordando os assuntos e mostrando como é feita cada etapa para abertura de uma empresa, alteração, ou baixa.

Público a que se destina: todas às pessoas ligadas direta ou indiretamente com a contabilidade.

Conteúdo / Assuntos abordados:

  – Forma jurídica das empresas (fundamentos legais)

 – Tipos de empresas e Fundamento Legal das sociedades limitadas

 – Tipos de Empresas e quais as mais utilizadas

– Formas de Enquadramento Tributário

– Quais as diferenças: MEI, Empresário Individual, EIRELI, Sociedade Unipessoal e Sociedade Ltda?

 – Como abrir uma empresa passo a passo?

– Como fazer a viabilidade?

– Como acessar o portal Redesim – DBE

– Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

 – Procedimentos – passo a passo para abrir uma empresa

 – Regras e vantagens para quem quer ser MEI

 –  Passo a Passo para Inscrição de Microempreendedor Individual

 – Modelos de contratos sociais: Abertura, Alteração e Baixa.

Dúvidas: A  contar da data de aquisição deste manual, você tem 4 (quatro) meses, para tirar dúvidas com o Professor e Contador atuante da Alves Contabilidade E-mail: alvescontabilidade@uol.com.br

Após este prazo o suporte será suspenso, mas o acesso ao manual na área de estudo é vitalício.

Após a confirmação do pagamento você recebe um E-mail com as informações de acesso ao manual, e você pode baixar e estudar.

Veja como adquirir

Alves Contabilidade assessoria para Igrejas e Centros Religiosos

Você pode pagar via cartão, ou boleto a vista

Clique no banner para gerar o pagamento online instantaneamente através do PagSeguro

Acesse

Alves Contabilidade assessoria para Igrejas e Centros Religiosos

Ainda tem Dúvidas?  Chame no WhatsApp 11 – 9.9608-3728 

E-mail: alvescontabilidade@uol.com.br

 

 

Estudos mostram vantagens na criação de galinhas livres

Estudos mostram vantagens na criação de galinhas livres

Estudos mostram vantagens na criação de galinhas livres

Estudos mostram vantagens na criação de galinhas livres

 Galinhas criadas livres traz uma série de benefícios para o animal e melhora a qualidade dos ovos.

O Brasil Rural conversou com Leonardo Henrique Zanetti, professor da graduação do curso de Zootecnia da Unoeste, que falou dos benefícios que podem trazer ao produtor criando galinhas soltas, livres de gaiolas.

De acordo com o professor ao observar que galinhas presas deixam de apresentar seu comportamento natural, como ciscar, rolar na areia, empoleirar, e com isso cai muito a produtividade, além de desenvolver doenças.

Leonardo Zanetti explica que as galinhas soltas aumentam a produtividade, tem baixa nos custos, diminui a incidência de doenças, e melhora a qualidade dos ovos.

"Quando a gente trabalha com saúde animal, temos que ter essa preocupação, porque algumas doenças , se perder o controle, podem atingir a todos nós", conta. Complementando que "hoje, uma preocupação que temos, porque vários consumidores já se mostram preocupados com o bem estar do animal, ficam dispostos a pagar um pouquinho mais. A gente sabe que se trabalhamos de forma 

legal com os animais, acaba refletido no alimento de boa qualidade".

Ouça a entrevista completa no player abaixo.

Professor Valdivino Sousa Equações de 1° grau com uma e duas incógnitas

Professor Valdivino Sousa Equações de 1° grau com uma e duas incógnitas

 

Professor Valdivino Sousa Equações de 1° grau com uma e duas incógnitas

 Professor Valdivino Sousa Equações de 1° grau com uma e duas incógnitas

Equação é uma maneira de resolver situações nas quais surgem valores desconhecidos quando se tem uma igualdade. A palavra “equação” vem do latim equatione, equacionar, que quer dizer igualar, pesar, igualar em peso. E a origem primeira da palavra “equação” vem do árabe adala, que significa “ser igual a“, de novo a ideia de igualdade. 

Por serem desconhecidos, esses valores são representados por letras. Por isso na língua portuguesa existe uma expressão muito usada: “o x da questão”. Ela é utilizada quando temos um problema dentro de uma determinada situação. Matematicamente, dizemos que esse x é o valor que não se conhece. 

Os gregos resolviam equações através de Geometria. Mas foram os árabes que, cultivando a Matemática dos gregos, promoveram um acentuado progresso na resolução de equações. Para representar o valor desconhecido em uma situação matemática, ou seja, em uma equação, os árabes chamavam o valor desconhecido em uma situação matemática de “coisa”. Em árabe, a palavra “coisa” era pronunciada como xay. Daí surge o x como tradução simplificada de palavra “coisa” em árabe.

Leia também

Aprendendo equação de primeiro grau com objetos ilustrativos

 Equação de primeiro grau com as operações de somar e multiplicar

Professor e Matemático ensina como resolver equação de 1º grau com duas incógnitas

 Artigos do Professor Valdivino Sousa, Educação Matemática 

 No trabalho dos árabes, destaca-se o de Al-Khowarizmi (século IX), que resolveu e discutiu equações de vários tipos.

Al-Khowarizmi é considerado o matemático árabe de maior expressão do século IX. Ele escreveu dois livros que desempenharam importante papel na história da Matemática. Num deles, Sobre a arte hindu de calcular, Al-Khowarizmi faz uma exposição completa dos numerais hindus. O outro, considerado o seu livro mais importante, Al-jabr wa’l mugãbalah, contém uma exposição clara e sistemática sobre resolução de equações. 


As equações ganharam importância a partir do momento em que passaram a ser escritas com símbolos matemáticos e letras. O primeiro a fazer isso foi o francês François Viète, no final do século XVI. Por esse motivo é chamado “pai da Álgebra”. Viète também foi o primeiro a estudar as propriedades das equações através de expressões gerais como ax + b = 0. Graças a Viète os objetos de estudo da Matemática deixaram de ser somente problemas numéricos sobre preços das coisas, idade das pessoas ou medidas dos lados das figuras, e passaram a englobar também as próprias expressões algébricas.


A partir desse momento, as equações começaram a ser interpretadas como as entendemos atualmente: equação, o idioma da álgebra. Atualmente as equações são usadas, entre outras coisas, para determinar o lucro de uma firma, para calcular a taxa de uma aplicação financeira, para fazer a previsão do tempo, etc. E devido a evolução dos estudos das equações, podemos utilizar outras variáveis, letras, para representar o valor desconhecido, ou seja, o que se quer descobrir em uma equação.Hoje, chamamos o termo desconhecido de incógnita, que é uma palavra originária do latim incognitu, que também quer dizer “coisa desconhecida”. A incógnita é um símbolo que está ocupando o lugar de um elemento desconhecido em uma equação.

Ao resolvermos uma equação do 1º grau obtemos um resultado (esse resultado é um valor numérico que, substituindo a incógnita por ele, chegamos a uma igualdade numérica), esse pode ser chamado de raiz da equação ou conjunto verdade ou conjunto solução da equação. Veja o exemplo:
2x - 10 = 4  é uma equação do 1º grau.
2x = 4 + 10
2x = 14
x = 14 /2    Logo  7 é o conjunto verdade da equação, solução ou raiz da equação 2x - 10 = 4.
Se substituirmos o x (incógnita) pela raiz, chegaremos a uma igualdade numérica, veja:
2 . 7 - 10 = 4
  14 – 10 = 4      veja que  4 = 4 é uma igualdade numérica, tiramos a prova real de que 7 é raiz da equação

É através desse conjunto verdade que identificamos as equações equivalentes, pois quando o conjunto verdade de uma equação é igual ao conjunto verdade de outra equação dizemos que as duas são equações equivalentes. Assim, podemos definir equações equivalentes como:

Duas ou mais equações somente são equivalentes se o seu conjunto verdade for igual

Veja um exemplo de equação equivalente:
Dada as equações 5x = 10 e x + 4 = 6. Para verificar se elas são equivalentes deve-se primeiro achar o conjunto verdade de cada uma.
5x = 10                     x + 4 = 6
x = 10 : 5                  x = 6 - 4
x = 2                         x = 2

Princípio aditivo da igualdade.


Vamos a mais um exemplo:
Conforme o princípio aditivo da igualdade, as duas equações são equivalentes. Se acharmos as raízes das duas equações, perceberemos que são iguais, então afirmaremos o que esse princípio diz que as duas são equivalentes. Veja o cálculo das suas raízes:
3x – 1 = 8                     3x + 4 = 13
3x = 8 + 1                     3x = 13 - 4
3x = 9                           3x = 9
x = 9 : 3                          x = 9 : 3
x = 3                               x = 3

Princípio multiplicativo da igualdade
Esse princípio diz que ao multiplicarmos ou dividirmos os dois membros da igualdade pelo mesmo número, desde que esse seja diferente de zero, obteremos outra equação que será equivalente à equação dada. Veja o exemplo:

Dada a equação x – 1 = 2, uma das formas de achar uma equação equivalente a ela é utilizando o princípio multiplicativo da igualdade. Se multiplicarmos os dois membros dessa igualdade por 2, teremos:

4 . (x – 1) = 2 . 4
4x – 4 = 8 chegamos à outra equação que é equivalente à equação x – 1 = 2.

Já sabemos que suas equações são equivalentes se suas raízes são iguais. Então, vamos calcular as raízes do exemplo acima, para verificarmos se realmente são equivalentes.

x – 1 = 2            4x – 4 = 8
x = 2 + 1            4x = 8 + 4
x = 3                   4x = 12
                              x = 12 : 4
                              x = 3
As raízes são iguais, portanto confirmamos o princípio multiplicativo da igualdade.

Toda equação do 1º grau com uma incógnita é representada pela forma geral ax + b = c, com a, b e c pertencentes aos números reais, sendo a ≠ 0

Existe também as equações do 1º grau com duas incógnitas são representadas pela expressão ax + by = c, com a ≠ 0, b ≠ 0 e c assumindo qualquer valor real. Nesse modelo de equação, os valores de x e y estão ligados através de uma relação de dependência. Observe exemplos de equações com duas incógnitas:
 3x + 7y = 5,
Essa relação de dependência pode ser denominada de par ordenado (x, y) da equação, os valores de x dependem dos valores de y e vice versa. Atribuindo valores a qualquer uma das incógnitas descobrimos os valores correlacionados a elas. Por exemplo, na equação
3x + 7y = 5, vamos substituir o valor de y por 2:
3x + 7*2 = 5
3x + 14 = 5
3x = 5 – 14
3x = – 9
x = – 9 / 3
x = – 3
Temos que para y = 2, x = – 3, estabelecendo o par ordenado (–3, 2).


A determinação do par ordenado é de grande importância para a construção da reta representativa da equação do 1º grau no plano cartesiano. Esses conceitos são muito utilizados na elaboração de gráficos de funções, como na Geometria Analítica que relaciona os estudos algébricos com a Geometria, sendo de extrema importância para o cotidiano matemático. 

 

Valdivino Sousa é Professor, Matemático, Pedagogo, Contador, Bacharel em Direito, Psicanalista e Escritor. Criador do método X Y Z que facilita a aprendizagem de equação e expressão algébrica com objetos ilustrativos. Autor de mais de 15 livros e têm vários artigos publicados em revistas e jornais. É editor do blog Valor x Matemática News, Produtor de Conteúdo e Colunista Mtb 60.448. Semanalmente escreve para o portal D.Dez e TOP 10 News, sobre: Comportamento, Educação Matemática e Desenvolvimento da Aprendizagem. E-mail: valdivinosousa.mat@gmail.com Whatsap: 11 – –9.9608-3728 Veja Biografia

 

Após Doria determinar retorno obrigatório, secretaria diz que só 24% das escolas estaduais estão aptas a receber 100% dos alunos

Após Doria determinar retorno obrigatório, secretaria diz que só 24% das escolas estaduais estão aptas a receber 100% dos alunos

Trends
As aulas presenciais voltam a ser obrigatórias na rede pública e privada do estado de São Paulo a partir da próxima segunda-feira (18). — Foto: CESAR CONVENTI/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Após Doria determinar retorno obrigatório, secretaria diz que só 24% das escolas estaduais estão aptas a receber 100% dos alunos.

Governo estipulou retorno presencial obrigatório a partir da segunda-feira (18). Na prática, porém, regra só deverá ser cumprida em novembro, quando não será mais exigido o distanciamento entre os estudantes.

Apenas 1.251 das 5.130 escolas estaduais de São Paulo vão voltar a receber 100% dos alunos todos os dias da semana na próxima segunda-feira (18). Isso porque somente elas conseguem garantir o distanciamento de 1 metro.

Nas demais, onde isso não é possível por falta de espaço físico, as aulas presenciais só voltam a ser obrigatórias para todos os estudantes em 3 de novembro.

A exigência também vale para as escolas privadas, mas elas terão prazos definidos pelo Conselho de Educação para se adaptarem.

No caso das municipais, a maioria das prefeituras tem autonomia para decidir. Somente em cidades menores, que não têm Conselho de Educação próprios, devem seguir a determinação do estado.

A cidade de Ribeirão Preto é uma das que manterá o esquema híbrido até ao menos o final do mês.

"A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) informa que 1.251 estão aptas a receber 100% dos estudantes sem revezamento. A pasta ressalta que os casos prováveis de servidores, funcionários e alunos são acompanhados por meio do SIMED (Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para COVID-19) da Seduc-SP, que tem os dados atualizados periodicamente", disse a pasta em nota.

Mais cedo durante coletiva de imprensa, o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, afirmou que o distanciamento ainda deve ser mantido até 3 de novembro.

"Começamos com a obrigatoriedade dos estudantes já na segunda-feira. O Conselho vai deliberar sobre o prazo para as escolas privadas. Vai ter um prazo em que a escola privada poderá se adaptar à regra. Para as redes municipais, deverá ser observada a regra de cada conselho", disse o secretário.

De acordo com o secretário, os estudantes só poderão deixar de frequentar as escolas mediante apresentação de justificativa médica, ou aqueles que fazem parte do grupo de exceções definidos:

  • Gestantes e puérperas
  • Comorbidades com idade a partir de 12 anos que não tenham completado ciclo vacinal contra a Covid
  • Menores de 12 anos que pertencem a grupos de risco para a Covid e ou condição de saúde de maior fragilidade

O uso de máscara por parte de estudantes e funcionários permanece obrigatório para todos, assim como a utilização de álcool em gel nas escolas e equipamentos de proteção individual por parte de professores e demais funcionários.

No início de agosto, o governo estadual liberou o retorno às aulas presenciais com 100% ocupação respeitando os protocolos sanitários, o que em algumas unidades exigiu revezamento de grupos.

Apesar da autorização, o envio do estudante para a sala de aula era facultativo aos pais. Na ocasião, as prefeituras também tinham autonomia para definir as datas e regras de abertura. 

Quanto aos casos suspeitos, a Secretaria afirmou que as "bolhas" das pessoas em contato seguirão sendo suspensas das aulas presenciais.

"Servidores, funcionários e alunos são acompanhados por meio do Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para Covid-19 da Secretaria e quando há o surgimento de diagnóstico provável ou suspeito no ambiente escolar, os contactantes são identificados, a pessoa é isolada e orientada a buscar atendimento na rede de saúde. É o médico quem determina, conforme avaliação, o período de afastamento e a indicação e o tratamento que deverá ser seguido.

Os alunos contactantes, por sua vez, são afastados das aulas presenciais e acompanham as atividades de classe por intermédio do Centro de Mídias, sem prejuízo para o aprendizado. No caso dos servidores e funcionários, também são orientados para o acompanhamento médico, que irá determinar o afastamento e o tratamento", diz a nota. 

Sindicato é contrário

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) considerou a medida desnecessária, descabida e perigosa.

Na avalição da Apeopesp, as escolas não têm condições de cumprir os protocolos de segurança contra a Covid.

O sindicato ainda alega que em diversas instituições não há funcionários de limpeza para garantir a higienização das unidades. 

Unesco é favorável

A Unesco não tem dúvidas de que este é o momento de reabrir as escolas, especialmente considerando os prejuízos do ensino à distância na aprendizagem.

"Nada substitui o ensino presencial e sabemos que muitos alunos e famílias tiveram problemas de conectividade e nos equipamentos para o ensino hibrido. As populações vulneráveis não têm condições de comprar pacotes de dados e o suporte não foi suficientemente bem estruturado no Brasil, apesar do esforço das secretarias de Educação. A Unesco vêm alertando para a catástrofe que o ensino à distância pode causar na aprendizagem, com perdas educacionais muito expressivas, inclusive no processo cognitivo", disse Marlova Noleto, diretora e representante da Unesco no Brasil.

Vacinação no estado de SP

Segundo dados do Vacinômetro atualizados até as 18h42 desta quarta (13), foram aplicadas 67,1 milhões de doses no estado, o que representa:

  • 99,43% da população adulta com uma dose
  • 80,95% da população adulta com esquema vacinal completo
  • 82,84% da população total com uma dose
  • 62,08% da população total com esquema vacinal completo

Histórico

Em setembro do ano passado, o estado retomou as aulas presenciais durante a pandemia, mas manteve um percentual limitador de 35% dos alunos matriculados por dia.

Durante a fase emergencial, em março deste ano, as instituições ficaram abertas apenas para acolhimento de crianças em situação de maior vulnerabilidade e oferta de merenda.

Em abril, as escolas foram liberadas para voltar a receber alunos, desde que mantendo a capacidade máxima de 35%. 

 

Fonte: G1