Escritor Cordeirense lança novo livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita – Planejamento Tributário

Escritor Cordeirense lança novo livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita – Planejamento Tributário

livro que já está a venda nas seguintes livrarias: Clube de Autores, Amazon, Kobo, Livraria Cultura, Americanas, Mercado livre, Estante Virtual e Submarino. O livro está disponível na versão impressa e Versão E-Book, pelo Google Books.

Clube de Autores, Amazon, Kobo, Livraria Cultura, Americanas, Mercado livre, Estante Virtual e Submarino. O livro está disponível na versão impressa e Versão E-Book, pelo Google Books.

Escritor Cordeirense lança novo livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita – Planejamento Tributário.

O Contador e Escritor Cordeirense Valdivino Sousa, lança novo livro que já está a venda nas seguintes livrarias: Clube de Autores, Amazon, Kobo, Livraria Cultura, Americanas, Mercado livre, Estante Virtual e Submarino. O livro está disponível na versão impressa e Versão E-Book, pelo Google Books.

Agosto Lilás: a violência doméstica e familiar

Agosto Lilás: a violência doméstica e familiar

 Maria da Penha hoje vive em cadeira de rodas: “Aqui em Fortaleza ocorreu o nascimento da minha segunda filha. E a partir desse momento a pessoa que eu conhecia como
 
Por Pascoal Zani, psicólogo. 

Agosto Lilás: a violência doméstica e familiar
 
Maria da Penha hoje vive em cadeira de rodas: “Aqui em Fortaleza ocorreu o nascimento da minha segunda filha. E a partir desse momento a pessoa que eu conhecia como companheiro mudou totalmente a sua personalidade, a sua maneira de ser. Foi uma pessoa totalmente... tornou-se intolerante, agressiva. E eu não sabia mais o que fazer para ter aquela pessoa que eu conheci novamente ao meu lado, né?!” (TEDxFortaleza - Maria da Penha - Uma história de vida!)

Seu relacionamento conjugal era considerado “normal” por ela mesma. A violência doméstica começou como “psicológica” e depois passou a física, com tentativas de assassinato. A Lei de 2006, que leva seu nome, foi um divisor de águas na proteção à mulher.

A cor lilás, considerada intermediária entre o azul e o rosa, significa a luta por igualdade entre homens e mulheres. Por isso sua escolha para a campanha contra a violência doméstica e familiar, que acontece em Agosto de cada ano.

Como identificar comportamentos do agressor e da vítima

A psicóloga norte-americana Lenore Walker (www.drlenoreewalker.com) afirma que a violência se dá em ciclos que envolvem 03 (três) fases. A cada novo série aumenta a intensidade da agressão:

    Evolução da tensão

    Explosão / incidente de agressão / ato agressivo

    Lua de mel / arrependimento / comportamento carinhoso / reaproximação.

O funcionamento deste ciclo dificulta (não impossibilita) que a vítima se identifique como tal. O roteiro manipulativo começa na tensão, fomentando relacionamento passivo-agressivo ou agressivo. Passa por surtos de agressão seguidos de um período de calmaria. Por isso é comum a vítima negar ou estar confusa, não ter a certeza de que está vivendo a violência doméstica. Ela não vê necessidade de buscar ajuda nem denunciar, pois o que é um problema em certo período, depois parece não ser mais, reacendendo a esperança alívio e estabilidade. Esse entendimento só muda na medida em que agressão se intensifica.

Fase I: Evolução da tensão (pensamento, emoção e comportamento de vítima e abusador):

    Agressor: mostra-se tenso e irritado; faz ameaças, xinga, ofende, humilha; às vezes tem comportamento destrutivo e acessos de agressividade, que podem se intensificar em caso de uso de álcool ou drogas, por exemplo;

    Vítima: fica surpresa e tenta negar que esteja sendo vítima de violência; sente-se culpada pelo comportamento do outro ou o tolera, buscando justificativas como alcoolismo, cansaço, questões mentais ou econômicas; evita qualquer palavra ou gesto que possa provocá-lo; reprime a raiva de estar sendo desrespeitada, nutrindo e aumentando medo, angústia e tristeza, dentre outras emoções; vive preocupada, precisa estar sempre atenta, não pode relaxar; esconde os fatos de familiares e amigos;

Infelizmente a cultura confunde masculinidade com machismo, dando às agressões um tom de normalidade. Em alguns casos o abusador é até benquisto na sociedade, no trabalho e com os amigos, mas é agressivo no ambiente familiar. Em outros a sua agressividade já comprometeu todos os seus laços.

Nessa fase é conveniente examinar como a família se relaciona, se de modo assertivo, em que todos se expressam e se posicionam claramente, com empatia, se ouvem e se respeitam; ou de forma passivo-agressiva ou agressiva. Nesta última possibilidade há constante hipervigilância e ansiedade, fazendo evoluir a tensão entre as pessoas, caracterizando o lar agressivo.

Fase II: Explosão / ato agressivo (pensamento, emoção e comportamento de vítima e abusador):

    Agressor: sua dificuldade de autocontrole gera um ou mais comportamentos violentos, de ordem física, psicológica, sexual, moral ou patrimonial; pode ocorrer dano grave ou feminicídio;

    Vítima: fica em choque, paralisada, não acredita ter forças para reagir; sente medo, confusão, dor, ansiedade, perda de energia, dificuldades de sono e de metabolismo; pode ocorrer agravamento de depressão ou suicídio;

Dois fatores são determinantes para que a tensão nos relacionamentos evolua ao ato de violência: a falta de regulação emocional e a dificuldade de controle de impulsos do agressor. São conteúdos mentais como: se os pensamentos que geram as emoções têm ou não evidências de realidade, se a intensidade de reação às emoções é muito grande e tempestiva, se se sente ofendido com facilidade, se reage tempestiva e agressivamente, por palavras ou gestos.

Fase III: Lua de Mel / Arrependimento / Reaproximação (pensamento, emoção e comportamento de vítima e abusador):

  Agressor: diz-se arrependido e passa um período mais carinhoso, amável e atencioso, favorecendo reconciliação ou impedindo rompimento; depois, aos poucos, volta à fase I, recomeçando o ciclo;

 Vítima: a princípio feliz e confiante, acreditando na mudança, valorizando os bons momentos já vividos; não vê necessidade de romper ou então aceita e busca se reconciliar; conforme o agressor volta ao estado de tensão e irritação, ela reacende o medo, a confusão mental, a culpa e a ilusão, voltando a reagir como na fase I;

É comum ouvir em consultório: “é por causa do Home Office”, “eu tenho esperança de que ele volte a ser como era antes”, “é porque ele bebe”, “não consigo sentir raiva dele”, “foi só uma vez”, “é só quando ele usa drogas”, “ele é meio impulsivo, é o jeito dele”, “está nervoso porque perdeu o emprego”, “ele fez isso, mas ele me ama”, “é assim mesmo”, “a culpa é minha”

O comportamento carinhoso e às vezes até submisso do agressor nesta fase facilita que a vítima romantize até as agressões sofridas, vivendo em devaneios com o “príncipe encantado” que parece existir em alguns momentos. Enquanto isso, deixa de enxergar a realidade dos maus tratos e do desrespeito que recebe na maior parte do tempo, acreditando que “ele mudou” e que a partir dali viverão “felizes para sempre”.

“A melhor maneira para manter alguém prisioneiro é tendo certeza de que ele nunca saiba que está na prisão”. (Fiódor Dostoiévski)

Violência doméstica se caracteriza apenas por agressão física ou assassinato?

A Lei Maria da Penha detalha cinco tipos de violência:

    Física

Exemplos: chute, tapa, espancamento, arremesso de objetos, estrangulamento, lesão, tortura, queimadura, feminicídio (assassinato)

    Sexual

Exemplos: sexo forçado no casamento ou fora dele, obrigado a atos que causam dor ou repulsa, forçado com outras pessoas, em troca de valores, com impedimento uso de método contraceptivo, estupro, forçando gravidez ou aborto

    Psicológica

Exemplos: humilhação, sarcasmo, grosseria, invalidação, manipulação, proibição que leve ao isolamento, gerar dúvida sobre a sanidade, ameaça, perseguição contumaz, insulto, chantagem, piada constrangedora, culpar a mulher pelos problemas e pela própria agressão sofrida, ciúme exagerado

    Patrimonial

Exemplos: deixar de pagar pensão alimentícia, destruição de documentos, de objetos pessoais e profissionais, controle financeiro, estelionato, furto, privação de bens móveis ou imóveis, direitos ou recursos econômicos

    Moral

Exemplos: calúnia, difamação, xingamento, acusação vã de traição, traição, crítica mentirosa, exposição da vida íntima, desvalorização ou restrição quanto ao modo de vestir ou de se aparentar (ex.: tatuagem, corte de cabelo, controle de peso, estética)

Embora na lei os itens sejam aplicáveis aos enquadramentos acima, é importante citar também outro tipo de violência:

    Virtual

Exemplos: compartilhar imagem íntima sem autorização, fazer comentário depreciativos, espionar e perseguir nas redes sociais (stalkear)

Violência psicológica: quando a língua fere mais que a mão

Em 2021 a legislação brasileira passou a tipificar o crime de violência psicológica, aumentando a proteção da vítima ao facilitar a condenação do agressor:

“Causar dano emocional à mulher que a prejudique e perturbe seu pleno desenvolvimento ou que vise a degradar ou a controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica e autodeterminação. Pena - reclusão, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa, se a conduta não constitui crime mais grave."

Do ponto de vista de saúde mental é fácil concluir que a agressão pode fomentar estados ou transtornos de ansiedade e depressão, por exemplo, podendo fazer chegar ao suicídio.

A sutil diferença entre a emoção de raiva e a agressividade

"A raiva, para as pessoas, é como o combustível para o automóvel. Ela nos dá energia para seguir em frente e chegar a um lugar melhor. Sem ela, não teríamos motivação para enfrentar os desafios. A raiva é uma energia que nos impele a definir o que é justo e o que não é.” (Arun Gandhi no livro “A virtude da raiva”, transcrevendo o que ouviu de seu avô, o pacifista Mahatma Gandhi)

Marshall Rosenberg, criador da CNV – Comunicação Não-violenta, complementa: “A raiva não é o problema. O problema é o pensamento que a cria.”

As emoções são forças naturais de todos. Elas tem funções de auxiliar as pessoas na sobrevivência e na comunicação. Renato Caminha, no livro “Emocionário – Diário das Emoções”, explica para quê serve, quais consequências do excesso e da falta do uso da raiva:

Sobre a função, ele descreve: “existe com o objetivo de nos defender contra quem nos ataca, nos desrespeita, viola limites e nos difama... quando conseguimos mostrar nossa raiva de modo adequado, ou seja, assertivo, acabamos nos sentindo melhor e com mais autoestima e autonomia.”

Há um entendimento comum de que a agressividade é sinônimo de raiva, mas é preciso distinguir, pois ela pode ser considerada uma reação distorcida e exagerada da raiva, mas não é ela. A agressão nasce do pensamento infundado e uso superdimensionado da emoção. Caminha continua: “A raiva em excesso nos deixa descontrolados e explosivos, agressivos e hostis em relação às pessoas com quem convivemos” ... passando a “atacar a tudo e a todos como se fossem inimigos ou responsáveis pelos seus problemas”.

E o mesmo autor ainda descreve o que acontece quando a pessoa reprime a raiva, deixa de utilizá-la, como é o caso de muitas vítimas de violência doméstica, não por sua culpa, mas por estarem dominadas pelo medo ou pela negação da agressão que está vivendo: “Não aceitar ou não demonstrar a raiva acaba nos deixando fracos nas nossas relações com as outras pessoas. É quase como se aceitássemos tudo que os outros possam fazer de desagradável e mau contra nós. Assim ficamos fracos socialmente, nos tornamos pessoas sem autoestima, sem opinião sobre as coisas, sem iniciativa e sem condições de se impor.”

Entendida desta forma, o fato da raiva ser vista socialmente como vilã é algo que beneficia o agressor, que faz uso indevido dessa emoção, desde nutrir pensamentos pouco aderentes à realidade até exagerar na intensidade e na impulsividade de seu comportamento (palavras ou atos que ferem).

Por outro lado, a vítima, sem exagerar e sem reprimir, pode utilizá-la como uma força natural para recuperar o senso de Justiça, agir civilizadamente na busca de suprir sua necessidade de paz e de estabilidade emocional, de se respeitar e se fazer respeitada, recuperar sua dignidade e, enfim, sua Vida, seu direito de viver com bem-estar.

A violência contra os filhos

A violência doméstica não se restringe à mulher. É também familiar. A criança capta tudo o que acontece no ambiente, formando suas crenças e seus modos de adaptação. Segundo a Terapia Cognitivo-comportamental, é na infância e na adolescência que estão sendo formadas as crenças, os modos de pensar que nortearão sua Vida, ao menos até que consiga alterá-las, desconstruí-las ou reforçá-las, se negativas ou positivas. Então, a convivência do agressor com ela, mesmo que não agredida diretamente, afeta todo seu futuro.

Submeter a criança ao lar agressivo estimula a perpetuação da violência doméstica, pois é possível que ela aprenda por modelagem a ser também agressiva ou, pela fragilidade de não ter supridas suas necessidades emocionais básicas, se torne vítima, no presente ou no futuro.

A assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar

A advogada Dra Geovana Souza Soares, OAB/MG 202274, pós graduanda em Advocacia Feminista e Direitos da Mulher, que é palestrante na área e está estruturando o “Projeto Amélia Livre” para apoiar vítima quanto à dependência socioeconômica, ressalta:

“Para que seja possível prestar auxílio à mulher vítima de violência doméstica, é preciso conhecer os direitos e garantias que ela possui, informando e orientando, para que ela não se sinta desamparada no processo de denúncia ou empoderamento em relação ao agressor.

Neste sentido, a Lei Maria da Penha, em seu art. 9º, prevê que a assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar será prestada de forma articulada, conforme parâmetros da Assistência Social, do Sistema Único de Saúde, do Sistema Único de Segurança Pública, e demais políticas públicas de proteção.

Ou seja, a pessoa em situação de violência não está socorrida apenas pelo direito penal. A Lei Maria NÃO É SOBRE AGRESSOR, ELA É SOBRE A OFENDIDA. O dispositivo prevê punições ao agressor, mas, de maneira primordial, apresenta o acolhimento e cuidado com a vítima.

Existem medidas protetivas de urgência à ofendida e outros cuidados que podem e DEVEM ser tomadas para garantir sua segurança. Podem ser citados Direitos e Providências previstos em Lei, como: a) Direito à inclusão em cadastro de programas de assistência social; b) Manutenção obrigatória do vínculo empregatício por até 6 meses; c) garantia do acesso prioritário à remoção quando servidor a pública, integrante da administração direta ou indireta; d) Acesso aos serviços de contracepção de emergência e profilaxia das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), além de demais procedimentos médicos necessários e cabíveis, nos casos de violência sexual.

Assim, o auxílio perpassa por intervenções diretas, mas, principalmente, por um apoio contínuo e multifacetado. Está na cobrança de Políticas Públicas de combate à DESIGUALDADE DE GÊNERO, no diálogo, no debate e na desconstrução dos padrões de comportamento que acarretam à violência doméstica e familiar.”

O tratamento de psicoterapia para vítima e abusador

O agressor pode até ser forte fisicamente, mas psicologicamente não é. Ao contrário, alguém equilibrado emocionalmente não desrespeita o outro, minimamente que seja. Ponto. Ponto final. Então, quando busca ajuda profissional, ele está de fato enfrentando seus medos e protegendo a si e aos que ama, bem como evitando possíveis punições legais. O tratamento de psicoterapia para o abusador tem os objetivos de aumentar seu nível de consciência, treinar a regulação emocional e o controle de impulsos, aprender a reconhecer e respeitar os limites do outro, identificar e tratar transtornos e vícios para eliminar ou reduzir a chance de agressão, o que é altamente benéfico para ele, para a vítima e demais membros da família.

Para a vítima, o serviço de psicologia busca fortalecer sua autoestima, identidade e autonomia, fortalecendo-a para enfrentar seus desafios. Ela busca aprender a dizer não, a expressar seus desejos, emoções e necessidades e, mais que tudo, a se fazer respeitada. Abusadores tem dificuldade de violentar pessoas mais empoderadas, que lidam melhor com seus medos e que sabem exigir o respeito que ela (e seus filhos) merecem.

Em vários casos há necessidade de acompanhamento psiquiátrico também, para as vítimas (mulher e filhos) e também para o abusador.

Identificando a violência e buscando ajuda

Conhecer o ciclo e os tipos de violência doméstica auxilia a vítima a identificar a situação que está vivendo. É o primeiro passo e é muito importante.

O segundo passo, essencial, é falar, buscar ajuda. Às vezes a pessoa prefere sofrer sozinha para não fazer seus amados sofrerem, enquanto o que mais as pessoas queridas querem é ajudar a diminuir sua dor. O medo intenso e constante induz a se calar. E o agressor se nutre do medo da vítima, aumentando e mantendo a escravização. Conversar e contar detalhes a alguma pessoa de sua confiança ou a um profissional é a melhor forma de “respirar” e poder pensar de modo mais consciente sobre a situação e possíveis soluções.

Instituições como o Instituto Maria da Penha (www.institutomariadapenha.org.br) e outras oferecem apoio para que as vítimas busquem alternativas para resolver o problema da violência doméstica.

A Campanha sinal vermelho (www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/violencia-contra-a-mulher/campanha-sinal-vermelho/) organiza modos de buscar ajuda, enquanto a Central de Atendimento à Mulher, no fone 180 (www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/denuncie-violencia-contra-a-mulher/o-que-e-central-de-atendimento-a-mulher-2013-ligue-180), também recebe pedidos. As Defensorias Públicas e as Prefeituras também mantêm serviços de orientação e ajuda a vítimas.

Serviços de Psicologia como o Projeto Coletivamente (www.facebook.com/psi.coletivamente), que conta com 42 psicólogos, também podem ser acionados para tratamento psicoterápico do abusador e da vítima, por pessoas que de fato necessitem de atendimento com custos de valor social.

Ainda que a violência doméstica envolva fatores socioeconômicos, culturais, religiosos, familiares e outros, romper com a dependência emocional em relação ao agressor dá à vítima um alívio importante e a coloca em condições de buscar novas soluções para a realidade que vive. A mulher que se liberta, liberta também as gerações futuras.
 
Publicado em 25/08/2021
Faça o Curso Abertura de Empresas, Alterações e Baixa

Faça o Curso Abertura de Empresas, Alterações e Baixa

 

Curso Abertura de Empresas, Alterações e Baixa   Como abrir uma empresa, Empresário individual, Uma EIRELI, Uma Sociedade Unipessoal, Ou Uma Sociedade Ltda.

Curso Abertura de Empresas, Alterações e Baixa 

Como abrir uma empresa, Empresário individual, Uma EIRELI, Uma Sociedade Unipessoal, Ou Uma Sociedade Ltda.

Aprenda abrir uma empresa, Empresário individual, Uma EIRELI, Uma Sociedade Unipessoal, Ou Uma Sociedade Ltda

Aprenda passo a passo como abrir uma empresa, seja ela um Empresário individual, Uma EIRELI, Uma Sociedade Unipessoal, Ou Uma Sociedade Ltda.

Passo a passo para abertura de uma empresa, como fazer a viabilidade, como acessar o portal Redesim.

 Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

Você irá aprender também Passo a Passo como fazer a Inscrição de Microempreendedor Individual – MEI.

 Material didático: O curso é composto por uma única apostila, existem vídeos de complementos abordando o assunto.

Público a que se destina: todas às pessoas ligadas direta ou indiretamente com a contabilidade.

 Conteúdo Programático:

– Forma jurídica das empresas (fundamentos legais)

– Tipos de empresas e Fundamento Legal das sociedades limitadas

– Tipos de Empresas e quais as mais utilizadas

– Formas de Enquadramento Tributário

– Quais as diferenças: MEI, Empresário Individual, EIRELI, Sociedade Unipessoal e Sociedade Ltda?

– Como abrir uma empresa passo a passo?

– Como fazer a viabilidade?

– Como acessar o portal Redesim – DBE

– Como preencher o DBE – Documento Básico de Entrada no CNPJ

– Procedimentos – passo a passo para abrir uma empresa

– Regras e vantagens para quem quer ser MEI

Passo a Passo para Inscrição de Microempreendedor Individual

– Modelos de contratos sociais: Abertura, Alteração e Baixa.

 Quanto a duração? O curso tem duração INDETERMINADA, a conclusão depende do desempenho de cada pessoa, o aluno acessa a área do aluno, baixa a apostila e estuda, além da apostila constam vídeos de complementação abordando o assunto.

 Este curso é aceito como horas complementares na Faculdade? Sim

 Dúvidas: A contar da data de aquisição do curso, você tem 4 (quatro) meses, para tirar dúvidas com o Professor e Contador atuante da Alves Contabilidade E-mail: alvescontabilidade@uol.com.br

 Curso ministrado pela Alves Contabilidade Acesse o link abaixo.

https://www.alvescontabilidade.com.br/2021/08/24/curso-abertura-de-empresas-alteracoesebaixa

 Com este curso você recebe o Certificado com carga horária de 60 horas. CERTIFICAÇÃO PELO INSTITUTO UNIVERSE Acesse o link abaixo.

https://institutouniverse.com.br/course/curso-abertura-de-empresas-alteracoesebaixa

 

Tags:

 Contrato Social

 

 

Divaldo Franco recebe alta médica após passar por cirurgia de retirada de um cálculo na bexiga

Divaldo Franco recebe alta médica após passar por cirurgia de retirada de um cálculo na bexiga

O líder espírita Divaldo Pereira Franco recebeu alta médica na manhã deste sábado (21) após fazer um procedimento cirúrgico para retirada de um cálculo na bexiga,

Divaldo Franco recebe alta médica após passar por cirurgia de retirada de um cálculo na bexiga

O líder espírita Divaldo Pereira Franco recebeu alta médica na manhã deste sábado (21) após fazer um procedimento cirúrgico para retirada de um cálculo na bexiga, em um hospital de Salvador. As informações são da Mansão do Caminho, administrado pelo médium, que confirmou que ele se encontra em casa, muito bem e alegre.

 Divaldo, de 94 anos, ficou internado no Hospital São Rafael, seguiu em observação no Centro de Terapia Intensiva (CTI), mas esteve consciente e não apresentou complicações enquanto esteve na unidade médica. A Mansão do Caminho publicou uma nota nas redes sociais informando que o processo cirúrgico ocorreu dentro do planejado e agradeceu o apoio ao religioso.

   Publicado em 22/08/2021

 Fonte: Blog do Anderson

Consternação na Cidade: amigos e familiares se despedem de Josué Brito em Vitória da Conquista

Consternação na Cidade: amigos e familiares se despedem de Josué Brito em Vitória da Conquista

 Igreja Batista Independência e Vida ficou lotada de amigos e familiares que foram prestar suas últimas homenagens a Josué Brito Dias

Consternação na Cidade  amigos e familiares se despedem de Josué Brito em Vitória da Conquista

Um sábado (21) de muita consternação em Vitória da Conquista. Como nunca antes, a Igreja Batista Independência e Vida ficou lotada de amigos e familiares que foram prestar suas últimas homenagens a Josué Brito Dias.

Ele foi vítima de um atentado aos 49 anos. Empresário da Cia Digital, Josa manteve ao longo da vida um perfil de solidariedade, evangélico e amigo fiel. Ele deixa esposa e filhos.

   Publicado em 22/08/2021

  Fonte: Blog do Anderson

Livro Planejamento Tributário a venda nas seguintes livrarias

Livro Planejamento Tributário a venda nas seguintes livrarias

Livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita – Planejamento Tributário

 Livro Planejamento Tributário a venda nas seguintes livrarias

Livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita – Planejamento Tributário
 Livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita – Planejamento Tributário 

 A venda nas seguintes livrarias: Clube de Autores, Amazon, Kobo, Livraria Cultura, Americanas, Mercado livre, Estante Virtual e Submarino.

O Contador e Professor Valdivino Sousa, lança novo Livro: Redução da Carga Tributária das Empresas de Forma Lícita.

O  livro tem como objetivo mostrar e conscientizar as empresas a importância do planejamento tributário (elisão fiscal), que tem como finalidade propor uma redução da carga tributária. 

Hoje o nosso país sofre com alta carga tributária, visto que a do Brasil e uma das mais altas do mundo. Ao contrário da evasão, o que se busca através do Planejamento Tributário é a chamada Elisão Fiscal, ou seja: a prática de atos lícitos que visam à obtenção de economia tributária. Aliado a isso, o livro faz uma diferenciação de Planejamento Tributário entre: Evasão Fiscal, Sonegação e Inadimplência Fiscal, Simulação e Fraude à Lei, sustentando-se que a redução da carga tributária das empresas por meio do planejamento tributário é lícito e, é um processo de escolha de ação planejada, anterior a ocorrência do fato gerador, visando, direta ou indiretamente, economia de tributos. 

Neste contexto, o livro foi publicado com o objetivo de mostrar para as empresas como reduzir a carga tributária com observância da legalidade, visto que, grande parte das empresas desconhece o planejamento tributário e seus benefícios.

Desta forma objetivou-se discorrer sobre a norma antielisiva que é vista como um obstáculo ao planejamento tributário, por fim a obra apresenta o planejamento tributário como garantia do princípio da legalidade, sendo assim, afastando-o da ilicitude, mostrando as empresas os benefícios trazidos com a implantação correta de um planejamento tributário para a redução da carga tributária. 


Lançamento 2021 – Editora: Clube de Autores. 

Versão impressa R$ 41,99  e Versão ebook R$ 21,99

Para adquirir acesse o link:  https://clubedeautores.com.br/livro/reducao-da-carga-tributaria-das-empresas-de-forma-licita 

COMPRAR E LER E-BOOK CLIQUE AQUI 

 

Ruy Medeiros para além do analfabetismo funcional

Ruy Medeiros para além do analfabetismo funcional

 

Há pessoas que sabem ler e escrever, mas não conseguem elaborar um texto ou compreender uma notícia escrita. Elas frequentaram escolas, sabem somar, multiplicar, subtrair, dividir e lêem e escrevem nomes, frases, talvez mesmo um bilhete,

 Ruy Medeiros para além do analfabetismo funcional

Ruy Hermann Araújo Medeiros

Há pessoas que sabem ler e escrever, mas não conseguem elaborar um texto ou compreender uma notícia escrita. Elas frequentaram escolas, sabem somar, multiplicar, subtrair, dividir e lêem e escrevem nomes, frases, talvez mesmo um bilhete, um endereço, ou algo simples. São os analfabetos funcionais ou secundários.  

As sociedades atribuem a denominação de analfabeto funcional de acordo com suas exigências culturais. Umas exigem mais e outras exigem menos de seus alfabetizados. Leia o artigo na íntegra.

No Brasil de hoje, é incalculável o número de analfabetos funcionais, mas ao lado dele outro fenômeno ocorre: há algo além desse tipo de analfabetismo. Trata-se do analfabetismo que não é sofrido pelas pessoas, mas que por elas é cultivado, exercitado com ganas de bárbaro. Lêem e escrevem, mas se recusam a transformar informação em conhecimento por não exercerem nenhum trabalho reflexivo sobre ela. Essas pessoas encontram-se envoltas em situação do além analfabetismo funcional e reagem alimentando-o. Envoltas no e alimentantes do analfabetismo além do funcional, as pessoas nessa situação caracterizam-se, em primeiro plano, por negar a evidência. Não se trata de, metodologicamente, deixar de lado a aparência das coisas como dado que pode enganar, mas sim de não aceitar aquilo que é transparente ou aquilo que serve de comprovação, ou de não aceitar os dados da ciência. E, nesse agir de recusar o que é evidente, substituem amplamente a ciência pelo obscurantismo. Em matéria de produção do conhecimento, almejam uma escola orientada totalmente contra a discordância e que não tenha o foco voltado para a assim chamada cultura desinteressada, que é tão relevante para o desenvolvimento de cada pessoa e da inteligência.

Esse analfabetismo que se situa além do analfabetismo funcional detesta o direito à diferença sem prezar, no entanto, a igualdade. Em política, esse novo(?) analfabetismo não julga, simplesmente aceita a coisa, mesmo que essa seja deplorável, tosca e desumana: já há os chefes que pensam pelo e para o novo(?) analfabeto. Essa ausência de autonomia para discernir, auto imposta por aqueles que se encontram além do analfabetismo funcional, os aproxima do objetivo que direcionava a educação do estado nazista (Staat Hitler): crer, obedecer, combater. Porque não julga e não desenvolve a crítica, aquele que se encontra além do analfabetismo funcional não tem qualquer escrúpulo em divulgar as notícias falsas (Fake News) e em atribuir ao chefe qualidades que esse não tem. Alguns deles não hesitariam em adotar a consigna do princípio do chefe: O führer tem sempre razão. O contingente que sofre e ao mesmo tempo alimenta o analfabetismo além do funcional está aí. Não é de surpreender que vários de seus membros apresentem diplomas e títulos acadêmicos, embora gostem com enlevo do senso comum. Diante do desenvolvimento da ciência, da técnica e do cultivo do espírito, esse além do analfabetismo funcional é um descompasso civilizatório que alimenta formas despóticas de governo.

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente,

a opinião do BLOG DO ANDERSON

 Fonte: Blog do Anderson 


12 dicas para melhorar seu sono e dormir como um bebê

12 dicas para melhorar seu sono e dormir como um bebê

Já sentiu inveja ao ver um bebê dormindo? Saiba: você não é o único. Cerca de 65% dos brasileiros sofrem de distúrbios do sono, percentual acima da média mundial

  Por Pascoal Zani, psicólogo. 

12 dicas para melhorar seu sono e dormir como um bebê

Já sentiu inveja ao ver um bebê dormindo? Saiba: você não é o único. Cerca de 65% dos brasileiros sofrem de distúrbios do sono, percentual acima da média mundial – 45%, de acordo com uma pesquisa feita por meio da plataforma human analytics da MindMiners e coordenada pela consultoria Unimark/Longo.

Os dados foram divulgados no início do ano e acendem o alerta para uma perigosa epidemia de insônia no Brasil. Sobre o assunto, o psicólogo e colunista do Clube, Pascoal Zani, fez uma analogia aproveitando o clima esportivo de Tokyo 2020: "As Olimpíadas do Sono: 12 dicas para você dormir melhor". Confira o que ele diz nesse artigo exclusivo.

Imagem da internet: Hércules e a hidra

Olimpíadas do sono

Se houvessem Olimpíadas com os heróis, deuses e semideuses da mitologia greco-romana, Hércules certamente conquistaria medalha de ouro por sua força física. Ele é famoso por ter realizado “Os 12 trabalhos de Hércules”, enfrentando monstros e aproveitando suas capacidades sobre-humanas para se redimir e conquistar a imortalidade. Numa das versões, ao fim do mito, foi queimado em uma pira e a sua essência ascendeu ao Olimpo, a morada dos deuses.

A analogia pode ser aplicada a 12 tarefas diárias que podem ajudá-lo em algo que deveria ser natural, como o seu sono, mas que porventura não esteja sendo para você.

Quanto mais curto é o sono, mais curta é a sua vida

Matthew Walker, em seu livro “Por que dormimos” afirma: “quanto mais curto é o sono, mais curta é a vida do indivíduo. As principais causas de doenças e morte nos países desenvolvidos — enfermidades que estão paralisando os sistemas de assistência médica, como a doença cardíaca, a obesidade, a demência, a diabetes e o câncer — têm ligações causais reconhecidas com a falta de sono.”

Vida moderna, excesso de preocupações

A vida moderna traz uma carga excessiva de estresse e preocupações (questões econômicas, sobrevivência, relacionamentos, frustrações, etc), facilita o sedentarismo, oferta alimentos e bebidas industrializados, bem como traz recursos até décadas atrás inexistentes, como celulares, internet e redes sociais.

A sua forma de reagir às características desse Mundo BANI, a sua decisão de enfrentar ou não os tais “12 (doze) trabalhos” para atingir seu objetivo de “dormir” interfere positivamente ou negativamente na qualidade do seu sono, na recuperação ou não das energias necessárias para ter dias produtivos e, de fato, se sentir bem com as experiências que viverá no dia seguinte.

O seu dia conta como foi sua noite anterior e como será a próxima.

Quais consequências você pode ter por dormir mal?

O objetivo do sono é restaurar a energia. Quando isso não acontece, seja em períodos transitórios, de curta duração ou de forma crônica, você poder ter sonolência, déficit de atenção, concentração, criatividade, raciocínio e memória, prejuízo no desempenho das atividades de trabalho ou de estudo, cansaço, dores no corpo, dor de cabeça, irritação frequente, diminuição da libido, alterações de humor, dificuldade de regulação emocional, prejudicando as suas atividades e os seus relacionamentos, facilitação da obesidade, redução de energia, problemas cardiovasculares e respiratórios, aceleração do envelhecimento, queda do sistema imunológico e doenças decorrentes.

Se o seu sono não tem sido reparador, é possível que já tenha sentido ou venha a sentir algum desses sintomas.

O que posso fazer para regular o meu sono?

Essa pergunta é muito frequente nos consultórios de psicólogos e médicos. Além dos tratamentos específicos a cada um, conforme o seu quadro clínico, a área da saúde sugere a prática da “Higiene do sono”, cujos itens podem variar conforme as fontes de pesquisa científica.

A proposta abaixo, um pouco diferente em alguns sentidos, não se limita a aspectos físicos, mas agrega também aspectos psíquicos colhidos na prática da Terapia Cognitivo-comportamental, formando um conjunto de modos de pensar e de agir que leva em consideração que o seu ato de dormir faz parte de um todo, assim como seu corpo, sua mente e sua Vida.

12 passos para um sono restaurador

São 12 (doze) trabalhos “nem tão hercúleos” que você pode praticar para ter mais produtividade e qualidade de vida durante o dia e uma noite com sono efetivamente restaurador:

1. Regule suas emoções

Identifique quando elas vem, quanto tempo ficam, qual sua intensidade, como está reagindo a elas e, principalmente, quais pensamentos a trouxeram. Descobrindo os pensamentos, reavalie, veja se devem ser alterados ou de que maneira você pode conviver com eles. Perceba que a Inteligência Emocional é determinante também para o seu descanso.

2. Identifique pensamentos negativos

Identifique seus pensamentos negativos de preocupação ou de ameaça durante o dia. Questione se eles fazem sentido com a realidade, se precisam mesmo ser daquele tamanho, se os problemas que eles representam podem ser resolvidos por você ou competem a outra pessoa, quais são as forças e habilidades para enfrentá-los. Resolva o que pode ser resolvido e procure formas de adaptação ou se afaste daqueles que não estão na sua área de abrangência. Busque soluções durante o dia e anote possíveis pendências para tratá-las (de fato) no dia seguinte, deixando de se preocupar com elas no período noturno.

3. Exercícios de respiração

Faça alongamentos e exercícios de respiração diafragmática em vários momentos do dia. Como o pensamento ansioso contrai o seu corpo, alterando a respiração e provocando tensão muscular, ao atuar sobre esses dois itens você controlará melhor sua ansiedade, minimizará a formação de sintomas fisiológicos e desde cedo garantirá o sono da noite.

4. Regule o estresse

A hipervigilância, estado de alerta constante que talvez o ajude a ter sucesso profissional e acadêmico ou a cumprir com os compromissos que assume, pode se revelar uma grande inimiga na hora de dormir. O dia-a-dia considerado mais saudável é, sim, de esforço na atividade, mas é também de família, amigos e repouso ao seu fim. Procure métodos eficientes para produzir e se permita relaxar em momentos de lazer. Estando em Home Office, separe bem os tempos e espaços de trabalho e de entretenimento.

5. Exercícios físicos

Pratique exercícios físicos regulares pela manhã. Se a atividade for ao “ar livre”, com sol e natureza, com demanda de grande esforço, melhor ainda.

6. Café e estimulantes têm hora

À tarde, após as 15 horas, não consuma cafeína (café, chocolate e alguns chás e refrigerantes), energéticos e outros estimulantes. Caso você tenha o hábito de “tirar uma soneca”, “uma sesta” logo após o almoço, o ideal é de que seja por cerca de 20 minutos.

7.Cama e barriga cheia não combinam

À noite, controle a alimentação. É claro que uma dieta equilibrada é necessária sempre, mas, você já sentiu que dormiu mal por estar com “estômago pesado”? Seu metabolismo produzirá hormônios que podem ajudar ou prejudicar seu descanso, conforme sejam as suas escolhas. Beba água regularmente durante o dia, mas lembre-se de que líquidos em excesso às vésperas de ir para a cama podem provocar idas ao banheiro na madrugada, restringindo o seu dormir aos estágios mais leves, não quais não há grande reparação.

8. Drogas roubam seu sono

Cuide com cigarros, bebidas alcóolicas e drogas. A nicotina é estimulante, por isso o seu consumo à noite prejudicará a indução sono. O uso de álcool em excesso horas antes de ir deitar poderá dificultar o sono profundo, ou seja, a verdadeira reparação corporal e mental.

9. Desligue-se antes de desligar

  • Pare tudo. Uma hora antes de deitar encerre as atividades e prepare o organismo para descansar. Por isso é importante refletir sobre o que você faz e pensa nesse momento:
  • você escolhe reduzir a luminosidade do ambiente e das telas dos eletrônicos, bem como diminuir a recepção de informações e preocupações?
  • Você opta por meditação, Mindfulness, leitura, música calma, banho quente ou outras atividades que relaxam o corpo e desaceleram o pensamento?

10. Seja regular

Vá para a cama sempre no mesmo horário, para acostumar o organismo a induzir o sono naquele momento. A recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) é de dormir 8 horas por noite. Pela manhã, a disciplina de acordar e de imediato se levantar também é essencial, pois nesta atitude você determina como será o seu dia e a sua próxima noite de sono.

11. Prepare o seu coração

Controle os estímulos da acomodação em que irá passar a noite. São bem-vindos protetores de ouvido, máscara para os olhos, cortina blackout, travesseiros e colchão adequados. Prepare um ambiente escuro, de temperatura agradável, silencioso, livre de aparelhos eletrônicos, de assuntos de trabalho e de discussões conjugais. Deite exclusivamente para dormir. Faça exceções a essa regra para atividades sexuais, exercícios de relaxamento, respiração ou Mindfulness. Se não dormir em 20 minutos, não brigue com o sono: levante, faça uma atividade relaxante e retorne depois, quando o sono vier. A ideia é restringir o ato de estar deitado exclusivamente ao período em que estiver de fato dormindo.

12. Conheça-se de fato e profundamente

Busque autoconhecimento, faça check-up médico regular e trate patologias diretamente relacionadas ou não à qualidade do seu repouso. Algumas doenças causam ou são causadas pelo sono irregular. É o caso de apneia, síndrome das pernas inquietas, dores orofaciais, etc. Procure profissionais especializados para você entender em si as variações possíveis de indução e de qualidade, pois elas se dão conforme sua faixa etária e alterações no ritmo circadiano, sujeitas a influências do seu estilo de vida, peculiaridades físicas e psíquicas. Na Psicologia, a Terapia Cognitivo-comportamental para Insônia (TCC-I) tem se mostrado altamente eficaz nas intervenções quanto aos conteúdos mentais e comportamentais que possam estar provocando insônia crônica.

A disciplina, a rotina e o Sono

Cumprir rotinas e formar hábitos saudáveis acultura o corpo e a mente. Por isso, se for disciplinado na execução dos itens propostos, de modo consciente, você terá ganhos noturnos e diurnos: tanto descansará melhor quanto terá mais disposição e energia para ser eficiente nas suas atividades e aproveitar as experiências que a Vida lhe oferece.

Decidir assumir o protagonismo pela sua vida, escolher se priorizar e colocar no pódio a sua saúde é essencial para assumir o compromisso de realizar “os 12 trabalhos”, que podem harmonicamente regular suas as emoções, controlar a ansiedade e o estresse, proporcionar mais qualidade de vida e também melhorar a qualidade do seu sono, inaugurando um círculo virtuoso de bem-estar.

 Fonte: Gazeta do Povo

Pascoal Zani – CRP-PR 08/04471

Fone whats: https://wa.me/5541988488303

https://linktr.ee/Psicologopascoalzani

psicologopascoalzani@gmail.com

Fonte: https://www.psicologopascoalzani.com.br 

Psicólogo Pascoal Zani – CRP 08/04471 | Instagran: psicologopascoalzani

 Leia  outros artigos do Psicólogo Pascoal Zani

Terapias integrativas também podem aliviar tensão e ansiedade nos pets 

O que é comunicação assertiva?

Relacionamento: conheça a técnica CNV e pare de brigar

Home Office: 10 dicas para recuperar a leveza

Estresse: lucros e prejuízos na Vida Profissional

 Mundo VUCA ou Mundo BANI? 

Como ter mais inteligência emocional?

Você tem vivido num turbilhão de emoções?